2008-03-28


A ponte sobre a via-férrea está (finalmente) aí, as cancelas da Rua 1º de Maio vão acabar, e agora poderá pensar-se a sério em encerrar permanentemente alguns trechos desta artéria à circulação automóvel, criando uma zona multifacetada de lazer no centro da Baixa da Banheira. É uma oportunidade de ouro para retirar trânsito do centro da Vila, e que não convêm desperdiçar.
Nos últimos dias tem sido grande a intensidade de contra informação sobre a nova travessia do Tejo na comunicação social. Hoje o circo contou com um anúncio de uma decisão por parte do LNEC, prontamente desmentido. Dando de barato que uma obra desta dimensão, e com a importância que terá na Área Metropolitana de Lisboa, está a mexer com muitos interesses (alguns deles já assumidos, outros ainda na penumbra), custa-me assistir a esta prova de falta de capacidade da Comunicação Social para resistir às investidas. Ávida de polémica, não se furta ao ridículo de anunciar coisa nenhuma só para dar voz a alguém, sem sequer questionar o conteúdo do que divulga, quantas vezes recheado de erros, demitindo-se descaradamente da sua responsabilidade em informar o público.

Por exemplo, esta notícia da RTP afirma que a opção Beato-Montijo “representa uma poupança de mais de 500 milhões de euros”, mas nas linhas seguintes informa de que ainda é necessário acrescentar uma nova ponte a ligar o Montijo ao Barreiro e de que afinal esta ligação apenas contempla tráfego ferroviário. Curiosamente, num parágrafo anterior é referido que nos custos da Ponte Barreiro-Chelas a fatia correspondente ao tabuleiro ferroviário ascende a 500 milhões euros, os mesmos da poupança. E ainda falta a tal ligação Montijo-Barreiro e o que custará a afectação da base aérea do Montijo com 2 pontes e TGV a passar por aquelas bandas. Enfim, nada disto é lá muito sério.

Espero que rapidamente seja tornado público o relatório do LNEC, porque obviamente ambas as soluções têm vantagens e inconvenientes, e para que o mais brevemente seja tomada uma decisão política sobre o futuro da mobilidade na AML, e é neste sentido que julgo que a melhor solução é a ligação Barreiro-Chelas (ou Lavradio-Chelas como não se cansa de repetir um amigo meu). Mas admito que possa estar errado. Eu, ou qualquer outra pessoa que defenda o contrário.

2008-03-27

WrayGunn. A não perder, esta 5ªfeira no Fórum.

2008-03-23


A esta hora já devera estar por aqui um videozito ligeiramente relacionado com a Páscoa. Paciência, o Youtube também tem direito a usufruir o feriado...

2008-03-21

Um Poema

Não tenhas medo, ouve:
É um poema.
Um misto de oração e de feitiço...
Sem qualquer compromisso,
Ouve-o atentamente,
De coração lavado.
Poderás decorá-lo
E rezá-lo
Ao deitar,
Ao levantar,
Ou nas restantes horas de tristeza.
Na segura certeza
De que mal não te faz.
E pode acontecer que te dê paz...

Miguel Torga
in Poesia Completa (Diário XIII)

2008-03-20

O Homem que nos fez sonhar!

Lembro-me de ver a serie apresentada por Arthur C. Clarke com grande entusiasmo. Todos os programas tinha sempre segredos por nos revelar, era um José Hermano Saraiva da Ficção científica, um contador de histórias, que fez despertar ideias em muitos realizadores de cinema. Boa viagem Arthur!

2008-03-18


O vinho Syrah de 2005 da Casa Ermelinda Freitas, foi considerado segundo a vinalies internationales 2008, como sendo o melhor tinto do mundo entre mais de 3000 vinhos à prova cega.

Cartoon de Bandeira
Os Cinco

2008-03-17

Substituam a bolsa por corridas de cavalos!
Analogia da criatividade governativa
Estes últimos tempos têm-se revelado muito criativos para os membros do governo, desde a lei do tabaco passando pelas ambulâncias parideiras/mortuárias, "subsídios" de maternidade, até à mais recente avaliação dos professores. Tudo tem servido para mostrar trabalho. Apesar do governo e bem, ter "aumentado" as pensões para os mais necessitados, existem alguns senhores que persistem em transparecer que são governantes muito criativos.
Existem muitas formas de nos expressarmos. Embora não seja adepto dos piercings, gosto de os ver como adereços em algumas pessoas. Tal como os brincos, vejo-os como uma forma de expressão meramente estética. Percebo aqueles que querem regulamentar leis para colocar um tecto à criatividade. Como não conseguem perceber o que isso significa para quem os usa (os Piercings), tentam abordar a questão pela saúde pública. Embora esta seja uma questão pertinente e alarmante, não foi dado a conhecer nenhum caso em que este facto tenha ocorrido. No entanto, antes de legislar sobre o uso de piercings, deveriam primeiro, promover a discussão. Não sei se a fórmula agora é a de não ouvirem ninguém e pensarem que sabem tudo sobre tudo, sem precisarem de ouvir ninguém, o que denota falta de respeito para com os cidadãos deste Estado de direito. Já que foram tão lestos em arranjar soluções para os piercings, gostaria de ver a mesma atitude em relação a outras áreas que carecem de soluções milagrosas, como é o caso da segurança às portas das discotecas. Como disse um cidadão anónimo um dia destes numa reportagem televisiva, bastaria colocar policias em vez de seguranças privados, nos sítios de diversão nocturna para que houvesse um maior clima de segurança, de certeza que não ficariam mais caros do que os actuais. Neste caso ao contrário do anterior, existem muitos factos concretos onde se poderão basear, desde aparecimento de gangs de segurança duvidosa até aos ajustes de contas entre estes, para o domínio de zonas. Este cidadão anónimo ao dar a sua opinião, no meu ponto de vista, conseguiu  ir ao fundo da questão, porque só se pode combater a criminalidade, se tentarmos perceber onde e porque ela acontece.
Para finalizar penso, que a política de maioria absoluta não deve ser sinónimo de arrogância, apesar de por vezes ter que se implementar políticas urgentes para estabilizar o déficit, não se pode tomar tudo pela mesma medida, sob pena de se ser incongruente e arrastar consigo todo o governo para uma imagem negativa.

2008-03-08

Para a Ministra da Educação não é "relevante" que 100.000 professores se manifestem contra a sua política. Este virar as costas a 70% dos professores é mais uma prova do descontrolo emocional a que este governo chegou, e já nem faltam os cães de guarda, de baba raivosa e juizo turvado.

2008-03-04

Mini-Trampolim e Tumbling: Ginásio Atlético Clube tem quatro Campeões Distritais
Ó São Precário, protegei-nos a nós, precários da Terra, fazei com que nos paguem subsídio de maternidade, protegei as funcionárias dos centros comerciais, os anjos dos call center, concedei aos falsos trabalhadores independentes subsídio de férias e reforma, rendimentos para todos e serviços gratuitos, livrai-os dos despedimentos malignos.

Geração em Saldo é um artigo da Visão a que vale a pena dar uma vista de olhos: "a CGTP contou no ano passado 863 mil trabalhadores com vínculos precários. O número só peca por defeito: não inclui estagiários nem falsos recibos verdes. Os resultados do Inquérito ao Emprego do INE, trabalhados pela agência Lusa, apontam para que, em 2007, 43 mil licenciados tenham desempenhado trabalhos de baixa qualificação ou não qualificados. E para 60 mil diplomados no desemprego."