2007-12-31

A Batida da arte urbana
Justin Bua


http://www.justinbua.com/newSite/index.php

2007-12-27

Conferência Climática de Bali

Carta aberta ao secretário-geral das Nações Unidas e aos chefes de Estado que subscreveram o acordo para novo tratado

Signatários [*]

É impossível deter as alterações climáticas, um fenómeno natural que tem afectado a humanidade através dos tempos. Os testemunhos históricos, geológicos, arqueológicos, orais e escritos provam todos os desafios fundamentais que as sociedades antigas tiveram de enfrentar perante alterações imprevistas de temperatura, de precipitação, de vento e de outras variáveis climáticas. Devemos consequentemente preparar as nações para resistir a todos estes fenómenos naturais promovendo o crescimento económico e a criação de riqueza.

O Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC) tem publicado conclusões cada vez mais alarmistas sobre a influência climática do CO2 de origem humana, um gás não poluente que é essencial à fotossíntese das plantas. Embora compreendamos os argumentos que levaram a considerar as emissões de CO2 como perigosas, as conclusões do IPCC são absolutamente injustificadas e não devem conduzir a políticas que vão reduzir significativamente a prosperidade futura. Em especial, não foi estabelecido que seria possível modificar significativamente o clima global reduzindo as emissões humanas de gases com efeito de estufa. Acima de tudo, porque as tentativas de reduzir emissões vão retardar o desenvolvimento, a abordagem actual da ONU sobre a redução do CO2 é susceptível de agravar o sofrimento humano devido às alterações climáticas futuras em vez de o reduzir.

O Resumo para os Decisores Políticos do IPCC é o documento mais consultado pelos políticos e pelos não-cientistas e está na base da maior parte das decisões políticas sobre as alterações climáticas. Contudo, este resumo é preparado por um núcleo relativamente restrito de redactores e a sua versão final é aprovada linha a linha por representantes dos governos. A grande maioria dos contribuintes e revisores do relatório [geral do IPCC] e das dezenas de milhares doutros cientistas qualificados que comentam sobre esta matéria não estão implicados na preparação deste documento [do Resumo]. O Resumo não pode por conseguinte ser considerado como representativo de um consenso de especialistas.

Contrariamente à impressão dada pelo Resumo para os Decisores Políticos, do IPCC:



As observações recentes dos fenómenos como a retracção dos glaciares, o aumento do nível do mar e a migração das espécies não testemunham uma alteração climática anormal porque nenhuma destas alterações está para além dos limites da variabilidade natural que conhecemos.

O ritmo médio de aquecimento de 0,1 ºC/década a 0,2 ºC/década registado pelos satélites nas últimas décadas do século XX está dentro dos limites de aquecimento e de arrefecimento observado nos últimos 10 mil anos.

Cientistas de primeiro plano, incluindo representantes importantes do IPCC, reconhecem que os modelos informáticos actuais não podem prever o clima. Assim, e apesar das projecções dos computadores de um aumento de temperatura, não tem havido aquecimento global desde 1998. O patamar de temperatura actual que se seguiu a um período de aquecimento no final do século XX está de acordo com ciclos naturais multidecenais ou milenários.

Exactamente oposto à afirmação frequentemente repetida de que na ciência do clima "terminou o debate", um número importante de novas publicações em revistas com revisão pelos pares coloca cada vez mais em dúvida a hipótese de um aquecimento perigoso de origem humana. Mas como os grupos de trabalho do IPCC tiveram instruções para examinar as publicações [somente] até Maio de 2005 (cf. instruções IPCC ) as posteriores conclusões importantes não estão incluídas no seu relatório; o que quer dizer que os relatórios de avaliação do IPCC são baseados em resultados já obsoletos.
A conferência sobre o clima de Bali foi destinada a conduzir o Mundo pelo caminho de uma restrição severa de CO2, ignorando as lições evidentes que se podem tirar do malogro do Protocolo de Quioto, o caos no mercado de transferências de CO2 estabelecido pela Europa e a ineficácia de outras iniciativas dispendiosas destinadas a reduzir as emissões de gases com efeito de estufa. Análises custo-benefício objectivas desacreditam a introdução de medidas globais destinadas a limitar e a reduzir o consumo de energia para reduzir as emissões de CO2. Além disso, é irracional aplicar o "princípio da precaução" porque numerosos cientistas reconhecem que um arrefecimento ou um aquecimento são ambos procedentes e realistas para o clima a médio prazo.

O esforço actual da ONU para "combater as alterações climáticas", como é apresentado no Relatório sobre o Desenvolvimento Humano do Programa de Desenvolvimento da ONU, de 27 de Novembro de 2007, desvia a atenção dos governos para a ameaça de alterações climáticas inevitáveis sob as suas diferentes formas. É necessária a planificação nacional e internacional perante tais mudanças, ajudando prioritariamente os cidadãos mais vulneráveis a adaptar-se às condições futuras. Tentar impedir o clima de se alterar é fútil e constitui uma má e trágica aplicação de recursos que seriam bem melhor utilizados na resolução de problemas verdadeiros e mais prementes.

[*] Lista de signatários:
- Don Aitkin, PhD, Professor, social scientist, retired vice-chancellor and president, University of Canberra, Australia
- William J.R. Alexander, PhD, Professor Emeritus, Dept. of Civil and Biosystems Engineering, University of Pretoria, South Africa; Member, UN Scientific and Technical Committee on Natural Disasters, 1994-2000
- Bjarne Andresen, PhD, physicist, Professor, The Niels Bohr Institute, University of Copenhagen, Denmark
- Geoff L. Austin, PhD, FNZIP, FRSNZ, Professor, Dept. of Physics, University of Auckland, New Zealand
- Timothy F. Ball, PhD, environmental consultant, former climatology professor, University of Winnipeg
- Ernst-Georg Beck, Dipl. Biol., Biologist, Merian-Schule Freiburg, Germany
- Sonja A. Boehmer-Christiansen, PhD, Reader, Dept. of Geography, Hull University, U.K.; Editor, Energy & Environment journal
- Chris C. Borel, PhD, remote sensing scientist, U.S.
- Reid A. Bryson, PhD, DSc, DEngr, UNE P. Global 500 Laureate; Senior Scientist, Center for Climatic Research; Emeritus Professor of Meteorology, of Geography, and of Environmental Studies, University of Wisconsin
- Dan Carruthers, M.Sc., wildlife biology consultant specializing in animal ecology in Arctic and Subarctic regions, Alberta
- R.M. Carter, PhD, Professor, Marine Geophysical Laboratory, James Cook University, Townsville, Australia
- Ian D. Clark, PhD, Professor, isotope hydrogeology and paleoclimatology, Dept. of Earth Sciences, University of Ottawa
- Richard S. Courtney, PhD, climate and atmospheric science consultant, IPCC expert reviewer, U.K.
- Willem de Lange, PhD, Dept. of Earth and Ocean Sciences, School of Science and Engineering, Waikato University, New Zealand
- David Deming, PhD (Geophysics), Associate Professor, College of Arts and Sciences, University of Oklahoma
- Freeman J. Dyson, PhD, Emeritus Professor of Physics, Institute for Advanced Studies, Princeton, N.J.
- Don J. Easterbrook, PhD, Emeritus Professor of Geology, Western Washington University
- Lance Endersbee, Emeritus Professor, former dean of Engineering and Pro-Vice Chancellor of Monasy University, Australia
- Hans Erren, Doctorandus, geophysicist and climate specialist, Sittard, The Netherlands
- Robert H. Essenhigh, PhD, E.G. Bailey Professor of Energy Conversion, Dept. of Mechanical Engineering, The Ohio State University
- Christopher Essex, PhD, Professor of Applied Mathematics and Associate Director of the Program in Theoretical Physics, University of Western Ontario
- David Evans, PhD, mathematician, carbon accountant, computer and electrical engineer and head of 'Science Speak,' Australia
- William Evans, PhD, editor, American Midland Naturalist; Dept. of Biological Sciences, University of Notre Dame
- Stewart Franks, PhD, Professor, Hydroclimatologist, University of Newcastle, Australia
- R. W. Gauldie, PhD, Research Professor, Hawai'i Institute of Geophysics and Planetology, School of Ocean Earth Sciences and Technology, University of Hawai'i, Manoa
- Lee C. Gerhard, PhD, Senior Scientist Emeritus, University of Kansas; former director and state geologist, Kansas Geological Survey
- Gerhard Gerlich, Professor for Mathematical and Theoretical Physics, Institut für Mathematische Physik der TU Braunschweig, Germany
- Albrecht Glatzle, PhD, sc.agr., Agro-Biologist and Gerente ejecutivo, INTTAS, Paraguay
- Fred Goldberg, PhD, Adjunct Professor, Royal Institute of Technology, Mechanical Engineering, Stockholm, Sweden
- Vincent Gray, PhD, expert reviewer for the IPCC and author of The Greenhouse Delusion: A Critique of Climate Change 2001, Wellington, New Zealand
- William M. Gray, Professor Emeritus, Dept. of Atmospheric Science, Colorado State University and Head of the Tropical Meteorology Project
- Howard Hayden, PhD, Emeritus Professor of Physics, University of Connecticut
- Louis Hissink MSc, M.A.I.G., editor, AIG News, and consulting geologist, Perth, Western Australia
- Craig D. Idso, PhD, Chairman, Center for the Study of Carbon Dioxide and Global Change, Arizona
- Sherwood B. Idso, PhD, President, Center for the Study of Carbon Dioxide and Global Change, AZ, USA
- Andrei Illarionov, PhD, Senior Fellow, Center for Global Liberty and Prosperity; founder and director of the Institute of Economic Analysis
- Zbigniew Jaworowski, PhD, physicist, Chairman - Scientific Council of Central Laboratory for Radiological Protection, Warsaw, Poland
- Jon Jenkins, PhD, MD, computer modelling - virology, NSW, Australia
- Wibjorn Karlen, PhD, Emeritus Professor, Dept. of Physical Geography and Quaternary Geology, Stockholm University, Sweden
- Olavi Kärner, Ph.D., Research Associate, Dept. of Atmospheric Physics, Institute of Astrophysics and Atmospheric Physics, Toravere, Estonia
- Joel M. Kauffman, PhD, Emeritus Professor of Chemistry, University of the Sciences in Philadelphia
- David Kear, PhD, FRSNZ, CMG, geologist, former Director-General of NZ Dept. of Scientific & Industrial Research, New Zealand
- Madhav Khandekar, PhD, former research scientist, Environment Canada; editor, Climate Research (2003-05); editorial board member, Natural Hazards; IPCC expert reviewer 2007
- William Kininmonth M.Sc., M.Admin., former head of Australia's National Climate Centre and a consultant to the World Meteorological Organization's Commission for Climatology
- Jan J.H. Kop, MSc Ceng FICE (Civil Engineer Fellow of the Institution of Civil Engineers), Emeritus Prof. of Public Health Engineering, Technical University Delft, The Netherlands
- Prof. R.W.J. Kouffeld, Emeritus Professor, Energy Conversion, Delft University of Technology, The Netherlands
- Salomon Kroonenberg, PhD, Professor, Dept. of Geotechnology, Delft University of Technology, The Netherlands
- Hans H.J. Labohm, PhD, economist, former advisor to the executive board, Clingendael Institute (The Netherlands Institute of International Relations), The Netherlands
- The Rt. Hon. Lord Lawson of Blaby, economist; Chairman of the Central Europe Trust; former Chancellor of the Exchequer, U.K.
- Douglas Leahey, PhD, meteorologist and air-quality consultant, Calgary
- David R. Legates, PhD, Director, Center for Climatic Research, University of Delaware
- Marcel Leroux , PhD, Professor Emeritus of Climatology, University of Lyon, France; former director of Laboratory of Climatology, Risks and Environment, CNRS
- Bryan Leyland, International Climate Science Coalition, consultant and power engineer, Auckland, New Zealand
- William Lindqvist, PhD, independent consulting geologist, Calif.
- Richard S. Lindzen , PhD, Alfred P. Sloan Professor of Meteorology, Dept. of Earth, Atmospheric and Planetary Sciences, Massachusetts Institute of Technology
- A.J. Tom van Loon, PhD, Professor of Geology (Quaternary Geology), Adam Mickiewicz University, Poznan, Poland; former President of the European Association of Science Editors
- Anthony R. Lupo, PhD, Associate Professor of Atmospheric Science, Dept. of Soil, Environmental, and Atmospheric Science, University of Missouri-Columbia
- Richard Mackey, PhD, Statistician, Australia
- Horst Malberg, PhD, Professor for Meteorology and Climatology, Institut für Meteorologie, Berlin, Germany
- John Maunder, PhD, Climatologist, former President of the Commission for Climatology of the World Meteorological Organization (89-97), New Zealand
- Alister McFarquhar, PhD, international economy, Downing College, Cambridge, U.K.
- Ross McKitrick, PhD, Associate Professor, Dept. of Economics, University of Guelph
- John McLean, PhD, climate data analyst, computer scientist, Australia
- Owen McShane, PhD, economist, head of the International Climate Science Coalition; Director, Centre for Resource Management Studies, New Zealand
- Fred Michel, PhD, Director, Institute of Environmental Sciences and Associate Professor of Earth Sciences, Carleton University
- Frank Milne, PhD, Professor, Dept. of Economics, Queen's University
- Asmunn Moene, PhD, former head of the Forecasting Centre, Meteorological Institute, Norway
- Alan Moran, PhD, Energy Economist, Director of the IPA's Deregulation Unit, Australia
- Nils-Axel Morner, PhD, Emeritus Professor of Paleogeophysics & Geodynamics, Stockholm University, Sweden
- Lubos Motl, PhD, Physicist, former Harvard string theorist, Charles University, Prague, Czech Republic
- John Nicol, PhD, Professor Emeritus of Physics, James Cook University, Australia
- David Nowell, M.Sc., Fellow of the Royal Meteorological Society, former chairman of the NATO Meteorological Group, Ottawa
- James J. O'Brien, PhD, Professor Emeritus, Meteorology and Oceanography, Florida State University
- Cliff Ollier, PhD, Professor Emeritus (Geology), Research Fellow, University of Western Australia
- Garth W. Paltridge, PhD, atmospheric physicist, Emeritus Professor and former Director of the Institute of Antarctic and Southern Ocean Studies, University of Tasmania, Australia
- R. Timothy Patterson, PhD, Professor, Dept. of Earth Sciences (paleoclimatology), Carleton University
- Al Pekarek, PhD, Associate Professor of Geology, Earth and Atmospheric Sciences Dept., St. Cloud State University, Minnesota
- Ian Plimer, PhD, Professor of Geology, School of Earth and Environmental Sciences, University of Adelaide and Emeritus Professor of Earth Sciences, University of Melbourne, Australia
- Brian Pratt, PhD, Professor of Geology, Sedimentology, University of Saskatchewan
- Harry N.A. Priem, PhD, Emeritus Professor of Planetary Geology and Isotope Geophysics, Utrecht University; former director of the Netherlands Institute for Isotope Geosciences
- Alex Robson, PhD, Economics, Australian National University Colonel F.P.M. Rombouts, Branch Chief - Safety, Quality and Environment, Royal Netherland Air Force
- R.G. Roper, PhD, Professor Emeritus of Atmospheric Sciences, School of Earth and Atmospheric Sciences, Georgia Institute of Technology
- Arthur Rorsch, PhD, Emeritus Professor, Molecular Genetics, Leiden University, The Netherlands
- Rob Scagel, M.Sc., forest microclimate specialist, principal consultant, Pacific Phytometric Consultants, B.C.
- Tom V. Segalstad, PhD, (Geology/Geochemistry), Head of the Geological Museum and Associate Professor of Resource and Environmental Geology, University of Oslo, Norway
- Gary D. Sharp, PhD, Center for Climate/Ocean Resources Study, Salinas, CA
- S. Fred Singer, PhD, Professor Emeritus of Environmental Sciences, University of Virginia and former director Weather Satellite Service
- L. Graham Smith, PhD, Associate Professor, Dept. of Geography, University of Western Ontario
- Roy W. Spencer, PhD, climatologist, Principal Research Scientist, Earth System Science Center, The University of Alabama, Huntsville
- Peter Stilbs, TeknD, Professor of Physical Chemistry, Research Leader, School of Chemical Science and Engineering, KTH (Royal Institute of Technology), Stockholm, Sweden
- Hendrik Tennekes, PhD, former director of research, Royal Netherlands Meteorological Institute
- Dick Thoenes, PhD, Emeritus Professor of Chemical Engineering, Eindhoven University of Technology, The Netherlands
- Brian G Valentine, PhD, PE (Chem.), Technology Manager - Industrial Energy Efficiency, Adjunct Associate Professor of Engineering Science, University of Maryland at College Park; Dept of Energy, Washington, DC
- Gerrit J. van der Lingen, PhD, geologist and paleoclimatologist, climate change consultant, Geoscience Research and Investigations, New Zealand
- Len Walker, PhD, Power Engineering, Australia
- Edward J. Wegman, PhD, Department of Computational and Data Sciences, George Mason University, Virginia
- Stephan Wilksch, PhD, Professor for Innovation and Technology Management, Production Management and Logistics, University of Technolgy and Economics Berlin, Germany
- Boris Winterhalter, PhD, senior marine researcher (retired), Geological Survey of Finland, former professor in marine geology, University of Helsinki, Finland
- David E. Wojick, PhD, P.Eng., energy consultant, Virginia
- Raphael Wust, PhD, Lecturer, Marine Geology/Sedimentology, James Cook University, Australia
- A. Zichichi, PhD, President of the World Federation of Scientists, Geneva, Switzerland; Emeritus Professor of Advanced Physics, University of Bologna, Italy.

2007-12-22

Um amigo, sugeriu uma receita light de natal que me preenchesse a alma e o estômago. Resolvi partilhá-la com os visitantes do banheirense!



www.gemueseorchester.org

2007-12-21

Para quem ainda não sabe o que pedir ao Pai Natal aqui está uma boa sugestão:



Mais informações aqui

2007-12-18

A Junta de Freguesia da Baixa da Banheira criou um novo serviço de informação geográfica.

Para quem gosta de ouvir harpa, vai haver hoje pelas 21h30, um recital tocado pela Orquestra Metropolitana de Lisboa, na Igreja da Misericórdia do Montijo. Segundo me informaram, a entrada é livre.



programa

2007-12-13

A norte aposta-se forte no metropolitano ligeiro.
E por cá, ainda vai demorar muito?


Agora que aparentemente se aproxima a mudança no policiamento da Baixa da Banheira, dizem-me moradores no Largo da GNR, que nesta mudança não está assegurada uma continuidade na presença de forças da ordem, ficando a população, já sem GNR, à espera da chegada da PSP.

Mais uma vez reafirmo de que não se trata de uma informação oficial, é um boato que chegou, mas que gostaria de confirmar da sua veracidade. Ou antes, gostaria de confirmar que não é isto que se vai passar.

2007-12-11

Projecto Setúbal – Península Digital
Distinguido por boas práticas na utilização de tecnologias

O Projecto Setúbal – Península Digital, desenvolvido pela AMRS - Associação de Municípios da Região de Setúbal, vai ser distinguido, hoje, como melhor prática e exemplo da boa implementação de soluções tecnológicas para modernização das Autarquias, num Congresso que decorre em Sintra.

De sublinhar que, no âmbito deste projecto, foram instalados diversos pontos de acesso à Internet nos concelhos de Alcochete, Barreiro, Moita, Montijo, Palmela, Sesimbra e Setúbal.

A Microsoft vai realizar, hoje, no Hotel da Penha Longa, em Sintra, um congresso subordinado ao tema «Desafios da Modernização Autárquica», onde, o Projecto Setúbal – Península Digital, desenvolvido pela Associação de Municípios da Região de Setúbal, vai ser distinguido como melhor prática e exemplo da boa implementação de soluções tecnológicas para modernização das Autarquias associadas.

O projecto "Setúbal - Península Digital" disponibiliza uma diversificada gama de informação sobre actividades :económicas, história, ambiente, organização político-administrativa, emprego, ciência e tecnologia, desporto, apoio ao consumidor.
De referir que no âmbito deste projecto foram instalados diversos pontos de acesso à Internet, em locais como : colectividades, instalações municipais, bibliotecas, escolas e supermercados., nomeadamente, nos concelhos de Alcochete, Barreiro, Moita, Montijo, Palmela, Sesimbra e Setúbal.

2007-12-07

Jardim de Infância Bola Colorida ganha uma “pilha de livros”

A São e o Jorge são bons amigos e é sempre muito agradável ver o seu bom trabalho premiado.
A Junta de Freguesia da Baixa da Banheira vai criar, a partir de Segunda-Feira dia 10 de Dezembro, o Gabinete de Apoio Social.

Hoje, às 21h, no Auditório Municipal Augusto Cabrita, no Barreiro.


retirado do Abnoxio
Hoje, passados alguns anos, voltei a entrar nos correios da Baixa da Banheira. À minha frente aguardavam em silêncio vários idosos pelas suas reformas. A julgar pelo apelo dos empregados, também os esperaria a sorte grande, tal o afã com que a lotaria era promovida junto de quem guardava ciosamente as coroas natalícias. 

Curiosamente, ou talvez não, tal apelo não me foi lançado, provavelmente porque a minha encomenda se resumia a um mísero livro e como já estava pago, da moeda nem o cheiro lhes chegou.

2007-12-04


BSkilla, é um MC que tem uma linguagem agressiva mas muito consciente. As suas letras descrevem comportamentos do quotidiano, marcado pelas desigualdades, a mentira e os "falsos profetas" que através da sua música tenta denunciar. Este MC banheirense tem ganho aos poucos terreno no panorama nacional.

2007-11-30

Michael Moore despiu a America!
Acabou-se o "american way of life". Em "Sicko", Michael Moore mostra uma América (EUA) que tem muito boa gente, mas esta vive enganada à boa maneira romana (sem coliseo mas com tv). Este documento factual demonstra bem preocupação que alguns americanos têm em desviarem as atenções dos seus compatriotas para as guerras e outros tipos de violência de cenários "hollywoodescos" em detrimento daquilo que eles realmente se deviam preocupar.


http://www.michaelmoore.com/

2007-11-26









ESTARÁ A UDCB A PAGAR O PREÇO DA ORIENTAÇÃO POLITICA DA MAIORIA DA POPULAÇÃO DA BAIXA DA BANHEIRA?


Há vinte anos que os três clubes da Baixa da Banheira (Real, Racing e Leais), com pragmatismo e modéstia, não hesitaram em abdicar das suas identidades e fundaram a U.D.C. Banheirense. Houve quem falasse de sacrifício… mas então um parque desportivo, como lhes foi prometido, não seria uma boa recompensa para praticarem a modalidade desportiva para a qual estão vocacionados? Assim pensaram jovens de vinte anos e de boa fé, que hoje com o cabelo branqueando continuam à espera de ver realizado um sonho de duas décadas que lhes é negado por gente sem escrúpulos e sem vergonha que, de legislatura em legislatura e com a cumplicidade dos subservientes locais, tem conseguido enganar muita gente durante muito tempo.
Actualmente no Governo, o Partido dos 10 estádios do Euro 2004 cujo o do Algarve é o paradigma da estupidez e do desperdício, dado que custa por dia, só em manutenção, 5.000 € (1000 contos) sem utilidade alguma, teve a genial ideia de financiar em 2 milhões de euros (400.000 contos) um estádio na Palestina. Se calhar para jogar à bomba e levar com os penalties de Israel, enquanto que por cá os nossos jovens da fusão vão jogando à bola, como podem e onde podem, sendo que para isso tenham de pagar. É caso para dizer que há pontapés no rabo que se perdem e que com políticos destes não há juventude que resista.
Há, portanto, duas décadas que é negada à U.D.C. Banheirense, sistematicamente, pela Administração Central, a comparticipação financeira do Estado às suas candidaturas para a construção do seu parque desportivo. A última candidatura, apresentada em 2000, foi seleccionada em 2003 e o projecto prévio aprovado em 20 de Julho de 2004, pela administração PSD, sendo então pedido àquela colectividade o resto da documentação necessária, incluindo o projecto completo de arquitectura no valor de 74.400 €, que em principio não podia de maneira nenhuma ser um tiro no escuro.
Em 03 de Maio de 2005, já com o PS no Governo, foi finalmente aprovado o projecto de execução e fornecidos os impressos que deveriam servir para o lançamento do concurso público da obra, estando o financiamento iminente. Contudo, o PS acabava de ser Governo, instala os seus boys e como de costume, depois de tanto trabalho, tanta despesa e sem explicação alguma, boicota o financiamento, apesar de ser considerado prioridade distrital e de interesse público pelo Governo Civil de Setúbal e com os pareceres favoráveis da CCDR – LVT e do Instituto do Desporto de Portugal.
Agora é preciso que a população da Baixa da Banheira saiba que se o PS não tivesse sido Governo em 2005, o parque desportivo estaria hoje, certamente, construído. Mas não é a primeira vez que o PS boicota esta infra-estrutura única para a nossa freguesia, porque já antes uma proposta apresentada pelo deputado Vicente Merendas (CDU) foi chumbada com um voto contra do PS, enquanto todos os outros partidos com assento no Parlamento votavam a favor. É caso para nos interrogarmos sobre este comportamento arrogante e revanchista de gente que, por razões de politica baixa, não hesitam em negar deliberadamente e de uma maneira incompreensível à população da Baixa da Banheira em geral e à sua juventude em particular, a comparticipação financeira de 46,3% do custo de um equipamento que lhes permitiria a prática do desporto para todos, que está consagrada na nossa Constituição. Estará a freguesia da Baixa da Banheira a pagar o preço da orientação politica da sua população? Mas então não estamos em democracia? É que há indícios que preocupam, porque ao que parece (e já foi dito) o facto do presidente da UDCB ter apoiado a candidatura do Engenheiro João Lobo à presidência da Câmara Municipal da Moita terá pesado fortemente na decisão do Secretário de Estado, João Ferrão, que como é sabido, teima em não assinar a comparticipação financeira do estádio, ao mesmo tempo que chegam àquela colectividade, recados como: “a União apostou no cavalo errado”.
Já a candidata do PS à presidência da Câmara Municipal da Moita, nas últimas autárquicas, comparou a sessão solene daquela colectividade a um comício, quando ainda lá se encontrava, revelando uma enorme falta de respeito pela instituição e uma maneira de cuspir na sopa, dado que foi no salão nobre daquela colectividade que teve lugar a apresentação dos candidatos do PS. Com tudo isto, não terá a senhora candidata à Câmara Municipal da Moita, ainda com o amargo da derrota eleitoral, segredado ao ouvido do seu camarada João Ferrão a sugestão de deixar o financiamento em banho-maria? Fica aqui a interrogação! Porque por ironia foi ela, então como vice-presidente da CCDR – LVT, a signatária do ofício que, em 31 de Agosto de 2006, informou a UDCB que a sua candidatura tinha sido definitivamente rejeitada. Mas que coisa curiosa! Mesmo alguém que não saiba mais do que um miúdo de 10 anos ficaria desconfiado.
A ex-candidata à presidência da Câmara Municipal da Moita, a ex-vice-presidente da CCDR – LVT e a actual Governadora Civil de Setúbal são a mesma pessoa, sendo no desempenho das suas actuais funções que esteve na ultima sessão solene da UDCB, mas desta vez em versão “Capuchinho Vermelho”, com uma cantilena de embalar, só que naquela sala havia muita gente que ainda não tinha esquecido o “Lobo Mau”, que comparara em 2005 a sessão solene da mesma colectividade a um comício.
No seu discurso trivial, tacanho e mal preparado mostrou não conhecer alguns assuntos que abordou, falando de percentagens sem ter em conta os plafonds dos financiamentos. Fica aqui a informação que a UDCB está a pedir 46,3% do custo da obra e não 65%. Falou de números errados que encontrou não se sabe onde, de tal maneira eles estão desactualizados, e também não sabia que a UDCB tem na CCDR – LVT, há muitos anos, uma candidatura do sub programa 2 para a remodelação do seu pavilhão gimnodesportivo, com projecto aprovado pela Câmara Municipal da Moita e que mereceu da parte do engenheiro Júlio Marques (CCDR – LVT) os maiores elogios pela maneira como foi apresentada, com fotografias de grande formato e a cores, apoiando e pondo em evidência as partes a remodelar, mas que mesmo assim tem sido sistematicamente rejeitada.
A UDCB está a pedir à Administração Central menos de 50% do valor de um equipamento para servir a juventude, ciente de que isso implicará muito mais trabalho e responsabilidade para os seus directores e associados em regime de voluntariado e quase sempre em detrimento das suas vidas familiar e profissional. Todos aqueles que estão na cadeia de decisão do financiamento e que não compreendem isso, ainda que com formação académica superior, são tão burros como os subservientes locais que, pelo seu silêncio e passividade, ainda não perceberam que estão a cortar a pernada da arvore onde estão sentados, prejudicando a sua terra, aqueles que os elegeram e até os próprios filhos. Desta gente pouco se pode esperar, porque não esqueçamos que todos eles pertencem à geração do charco (“pântano”), de um tal capitão Guterres que abandonou o barco ainda antes dos ratos, e que todos eles têm lugar cativo no contingente de boys, candidatos a um Job, que lhes dá a possibilidade de saltar de posto em posto à velocidade da luz. Mas não nos iludamos que esta gente sem escrúpulos e sem vergonha aparecerá na altura do próximo acto eleitoral, rastejando e com o mau hálito do sorriso mentiroso, fazendo as mesmas promessas que têm vindo a fazer há vinte anos. Mas desta vez só espero que os banheirenses os mandem dar uma curva e se possível com um pontapé no rabo, porque essa gente não respeita ninguém. Não respeita a empresa GOPP, que contribuiu com 200 mil euros (40 mil contos) para a construção da vedação e bilheteiras. Não respeita os dois directores que, em regime de voluntariado, durante cinco anos, a tempo inteiro, geriram as sessenta mil toneladas de entulho, nos cerca de 28 mil m2 do aterro. Não respeita os pequenos empresários que contribuíram com dezenas de horas de máquinas. Não respeita a autarquia que contribuiu com 800 horas de maquinaria pesada e custeou os projectos de arquitectura, no valor de 74.400 euros. Não respeita a UDCB, instituição de utilidade pública que, além da função social que desempenha no seio do movimento associativo, ainda, para o ultimo ano lectivo disponibilizou as suas instalações para aulas de inglês, musica e educação física a 170 alunos do agrupamento vertical Mouzinho da Silveira, prestando assim um precioso serviço à educação nacional. Não respeita a freguesia da Baixa da Banheira, nem a sua população, porque lhes nega, arbitrariamente, aquilo a que legitimamente têm direito. Para essa gente ficam aqui três perguntas: 1) Porque razão uma candidatura, considerada prioridade distrital e de interesse público para o Governo Civil de Setúbal, durante a Administração PSD, deixou de o ser assim que o PS chegou ao Governo? 2) Porque razão uma candidatura seleccionada em 2003 com projecto prévio aprovado em 2004, projecto de execução aprovado em 2005 e com o financiamento iminente, é rejeitada repentinamente sem explicação cabal e sustentada? Terá sido porque o resultado eleitoral nas últimas autárquicas não agradou àqueles que estão na cadeia de decisão? 3) Porque razão o facto do Presidente da UDCB ter apoiado um candidato que não o do PS à presidência da CMMoita, exercendo um direito de cidadania que só a ele diz respeito, pode influenciar negativamente a decisão do financiamento?
Se o PS não considera o Concelho da Moita como uma coutada sua deve ser capaz de responder a estas três perguntas; sem esquecer que a sua derrota eleitoral nas autárquicas 2005 foi ditada pela sua politica de terra queimada, boicotando tudo o que poderia ser uma mais valia para o Concelho, sendo o Centro de saúde e o Parque Desportivo da Baixa da Banheira, entre outros exemplos flagrantes.


José Vieira
Sócio nº 324 da UDCB

2007-11-25





Como o João Figueiredo já aqui publicou, decorreu neste fim de semana no Seixal a Conferência Nacional do PCP sobre Questões Económicas e Sociais. Esta Conferência, muito participada, não foi coberta pela comunicação social. Nos trabalhos preparatórios realizaram-se várias assembleias, debates e encontros. Nestas iniciativas participaram comunistas e outros, que não sendo comunistas, viram na Conferência uma porta aberta para uma alternativa de políticas às que efectivamente têm sido seguidas pelo PS, PSD com ou sem CDS. Neste trabalho imenso de milhares de pessoas fez-se o diagnóstico à situação actual, apresentaram-se propostas e concluiu-se que a luta é de todos, comunistas e não comunistas. De todos aqueles que querem um Portugal melhor, mais justo, onde os portugueses tenham acesso a educação, saúde, emprego, habitação e cultura.

Muitos dirão que é mais do mesmo. Outros dirão que não vale a pena lutar, que a globalização e a comunidade europeia controlam tudo e que a soberania portuguesa está ferida de morte. Os comunistas dizem que é altura de falar verdade e de atacar os problemas na sua essência.

Falemos de déficit. Portugal têm vários défices, não só o das contas públicas. Temos um déficit produtivo: alimentar, industrial, cultural, democrático e por aí fora. O que temos feito? Só nos temos preocupado com o das contas públicas. Quando utilizo o nós não o faço sem agora referir que somos mais uma vez todos responsáveis. Os problemas dos portugueses não se resolvem sem a participação dos portugueses e por isso vou transcrever as últimas palavras de Jerónimo de Sousa nesta grande iniciativa:

“A experiência histórica dos portugueses deve ser relevada e recordada. O impossível para muitos aconteceu a 25 de Abril.

É possível resistir e vencer. É possível romper com esta política injusta. É possível construir um País à medida das necessidades e aspirações do povo português.

Vale a pena lutar com este Partido. Apoiem o PCP. Apoiem este Partido que se opõe à exploração, à pobreza, à cada vez maior concentração da riqueza. Que não tolera a situação que permite a uma reduzida casta de privilegiados engrossar as suas fortunas à custa do país e da grande maioria da população. Este Partido que não aceita esta situação, não tolera este estado de coisas, que quer mudança, e luta com os trabalhadores e o povo para que haja uma profunda mudança em Portugal.

Partido portador de esperança e confiança que não desiste nem descansa de alcançar um país onde se viva melhor, com justiça, progresso, paz e democracia.

Num mundo em que o capitalismo mostra a sua natureza exploradora e agressiva, a todos dizemos, aos trabalhadores, ao povo português, apoiem este Partido portador de projecto que dá resposta aos problemas centrais da sociedade portuguesa!”

A consultar:
PCP

Para acesso a documentos
Como alguns saberão, termina hoje no Seixal a Conferência Macional do PCP sobre Questões Económicas e Sociais, que ontem teve o seu primeiro dia de trabalhos e de intervenções. Porém, quem consultar a edição impressa do Público ou a edição online do DN não encontrará nem uma linha sobre o primeiro dia de trabalhos desta importante iniciativa, apenas escapando a esta devastadora constatação o JN que lhe dedica 22 linhas.

(...)

E, depois, já sabemos qual é o filme: os mesmos que decidem destes abstrusos critérios não deixarão de perorar sobre a pobreza da vida e da acção dos partidos em Portugal e não deixarão de sentenciar que ali para as bandas do PCP é tudo um deserto de valores, de ideias e de propostas e que, tudo visto, não há alternativa para a política que há décadas é seguida.
A propósito do acidente em Setúbal: Quantos de vocês conhecem os planos de segurança dos edifícios onde trabalham? E quantas simulações já realizaram?

2007-11-24

Em directo

24 de Novembro (sábado):

10.30 h – 13.15 h
15.00 h – 17.00 h
17.30 h – 19.30 h


25 de Novembro (domingo):

9.30 h – 13.30 h

A organização da Cimeira das Lages, onde se anunciou oficialmente a guerra contra o Iraque, valeu-lhe a Presidência da Comissão Europeia. Agora que (finalmente) reconheceu que estava enganado, apareceu outro enganado a propor-lhe o Nobel da Paz, um prémio que, de acordo com a vontade de Alfred Nobel, deveria distinguir "a pessoa que tivesse feito a maior ou melhor acção pela fraternidade entre as nações, pela abolição e redução dos esforços de guerra e pela manutenção e promoção de tratados de paz".

2007-11-22

Sicko 2: A destruição do Serviço Nacional de Saúde britânico
por John Pilger


Deitado numa cama de hospital, cumpridos e bem todos os procedimentos, com uma chávena de chá a acompanhar agradavelmente a última dose de morfina, assistimos ao que há de melhor. Por melhor, quero dizer um vislumbre de uma sociedade sem os dogmáticos histriões dos media e da política determinados a mudar a forma como pensamos. Isso é o que há de pior. Por melhor, recordo a inesquecível manifestação dos mineiros de Murton, County Durham, surgindo em meio ao nevoeiro numa fria manhã de Março, com as mulheres a desfilarem à frente, a voltarem para o fosso da mina. Não importa que tenham sido derrotados por forças superiores, eles eram os melhores.

Numa cama de hospital, provavelmente o melhor é mais corriqueiro, com pessoas a trabalhar rotineiramente, escutando, respondendo, tranquilizando. O vocabulário dessas pessoas não é o da linguagem empresarial. A sua 'produtividade' não é um artifício para o lucro. O seu empenhamento não tem uma meta a cumprir e a sua camaradagem é como uma presença, e nós passamos a fazer parte dela. O denominador comum é a humanidade e a preocupação. Que exótico que isto soa. Ligamos a televisão do hospital e deparamos com um outro mundo bizarro de "notícias", com idiotas famosos a tecerem a destruição final da sociedade.

Lá está o louco do Blair a apelar para um ataque ao Irão e o secretário da educação, Ed Balls, a vender os seus diplomas falsos, e o primeiro-ministro Gordon Brown, que acabou de receber Rupert Murdoch e Alan Greenspan, a anunciar o seu "regresso à liberdade" juntamente com as suas últimas "reformas" que são uma safadeza para com a instituição que personifica a liberdade na Grã-Bretanha: o Serviço Nacional de Saúde. Nenhum deles tem a mais pequena ligação com as pessoas que mantêm o meu hospital a funcionar. O divisor de águas na Grã-Bretanha de hoje está entre uma sociedade representada por aqueles que mantêm o Serviço de Saúde a funcionar, e a sua mutação sintetizada pelo governo trabalhista de Blair e de Brown.

No filme Sicko, de Moore, o socialista Tony Benn profetiza uma revolução na Grã-Bretanha se o SNS for abolido. Mas o Serviço de Saúde da Grã-Bretanha está a ser destruído por desgaste, e se as últimas "reformas" não forem impedidas, será tarde demais para erguer barricadas. A 5 de Outubro, o secretário da Saúde, Alan Johnson, aprovou uma lista de catorze empresas que serão consultoras e assumirão a "delegação de poderes" dos serviços do SNS. Ser-lhes-á dada a possibilidade de escolha, se não o próprio controlo, sobre quais os tratamentos que os doentes devem receber e quem é que os irá proporcionar. Elas têm garantidos lucros de muitos milhões.

Essas empresas incluem as americanas UnitedHealth, Aetna e Humana. Estas organizações totalitárias têm sido multadas muitas vezes pelo seu conhecido papel no sistema de serviços de saúde americanos. No ano passado, o director geral da UnitedHealth, William McGuire, que ganhava 125 mil de dólares por ano, demitiu-se na sequência de um escândalo de direito de opção. Em Setembro, a companhia aceitou pagar 20 mil dólares de multa "por não atender a reclamações e não responder às queixas dos doentes". A Aetna teve que pagar 120 mil dólares de indemnização depois de um júri na Califórnia a ter condenado por "má-fé, opressão e fraude". No filme Sicko, mostra-se uma analista médica da Humana a testemunhar no Congresso que provocou a morte de um homem por lhe recusar assistência para poupar o dinheiro da empresa. Todos os anos morrem cerca de 18 mil americanos porque não têm acesso aos cuidados de saúde ou porque não os podem pagar.

Estas empresas são as amigas do governo trabalhista. Simon Stevens, antigo conselheiro da política de saúde de Blair, é hoje director executivo da UnitedHealth. Julian Le Grand, que escreve no Guardian como um distinto professor, dá a sua aprovação esclarecida às "reformas" – também ele foi conselheiro de Blair.

Em Manchester, há outras "reformas" em vias de destruir os serviços do SNS para os doentes mentais. William Scott suicidou-se depois de deixar de ter o apoio de um trabalhador do SNS que tratou dele durante oito anos. O que tudo isto significa é que o SNS está a passar sub-repticiamente para a privatização. É esta a política não confessada do governo de Brown, cujas acções predadoras no exterior estão a ser copiadas internamente. Foi Brown, enquanto tesoureiro, que promoveu a desastrosa "iniciativa financeira privada" como uma artimanha para construir novos hospitais, enquanto entregava enormes lucros a companhias suas protegidas. Em consequência disso, o SNS está a ser sangrado em 700 mil libras por ano. Isto provocou uma desnecessária "crise financeira" que é o argumento do 'Ardil 22' [NT1] para permitir que apareçam mais oportunistas para se apoderem do que foi outrora a maior proeza do antigo governo trabalhista. Vamos permitir que eles se safem com isto?


01/Novembro/2007

[NT1] Na novela Catch 22, de Joseph Heller, a expressão 'Ardil 22' adquiriu um uso idiomático com o sentido de 'beco sem saída'.


Ver também: Porque eles temem Michael Moore , de John Pilger.

O original encontra-se em http://www.johnpilger.com/page.asp?partid=461
Em inglês ...

The Phobia of Dangerous Human-caused Global Warming

Professor Bob Carter


It is scarcely necessary to tell an audience whose jobs rest upon their knowledge of nuclear science that a basic human emotion is fear of the unknown. For it is a commonplace amongst credentialled nuclear scientists that satisfactory and safe technological solutions already exist for both the generation of nuclear power and the disposal of nuclear waste. Yet public phobia regarding the nuclear industry remains strong, and is easily fanned by self-interested groups such as environmental lobbyists. The nuclear power “problem”, then, is almost entirely one of politics, not technology.

Fear of invisible radiation is one thing, and fear of the invisible, reputedly-dangerous greenhouse gas carbon dioxide is another similar thing. For over the last few years, many good citizens and expert scientists alike have become strongly committed to the view that global warming caused by human carbon dioxide emissions poses a terrible danger to the future of planet Earth. As a consequence, climate change now ranks second only to terrorism as a topic for political grandstanding by western politicians.

Some simple science facts

To a scientist who is familiar with the factual evidence regarding climate change, this state of affairs is somewhat puzzling. For three key things are known. The first is that climate is always changing: change is what climate does. The second is that the rates and magnitudes of warming during the late 20th century fell within the limits of earlier natural climate change; that they had a mostly or even partly human origin cannot be demonstrated. And the third is that the average global temperature has not increased during the 8 years since 1998 (a warm El Nino year), despite an increase in atmospheric carbon dioxide of 15 ppm (4%) over the same period.

Yet the public perception remains that dangerous warming is occurring now, and that it is caused by industrial carbon dioxide emissions. How can such a yawning gap have developed between public perception and what empirical science is telling us?

The answer, as any advertising executive can tell you, is money spent towards the specific end of spreading alarmism on climate. And lots of it: one estimate is that since 1990 the UN and western nations have spent more than $80 billion on climate research. Alarmist results from that research have been widely promulgated by the Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC) and environmental NGOs such as WWF and Greenpeace.

But despite the massive expenditure, and the best efforts of the thousands of scientists whose endeavours it supports, the reality is that the human influence on global climate that is predicted from computer modelling has not yet been detected. A taxpayer might be tempted to conclude that this particular haystack does not contain a needle at all, but in actuality the human signal that must be there (for humans indubitably have an effect on local climates) is probably simply obscured within the noise and variation of the natural climate system.

How has this state of affairs come about?

The public, then, has been gulled into believing propaganda and speculative computer models rather than being informed with basic facts about climate change. There are two powerful causes of this misinformation. First, the lobbying activities of environmental NGOs and their allies. Second, the now doctrinal, and indeed sometimes intimidatory, nature of modern Western education systems. The indoctrination acts on all school children, but is reinforced strongly for those individuals who pursue tertiary education and emerge as today’s climate research scientists.

The problem can be understood by reading the following four letters in sequence. They were all sent to me in response to a newspaper opinion piece in which, as I do here, I questioned the prevailing mantra on the threat of dangerous human-caused climate change, and attempted to introduce some balanced commonsense into the public discussion.

Letter 1 - From a School pupil’s parent

I appreciated your recent article regarding the global warming hysteria. My children have been filled with dread by all of the hype coming through our school system, reinforced by interminable media support. I have patiently explained things as best I can, but being a simple grocer from the Midwest (USA) I have less credibility than the experts.

I’d appreciate a bit of steerage towards some good information (in addition to your article) that will help me refute the current pop-culture pseudo-science.

Letter 2 - From a University student

My classes in Geology taught me how warming AND cooling trends occur throughout the history of the planet. Why is it so hard for people to understand that the planet is old and has had many episodes of climatic change?

I write to you today, because I am now in my Junior year at a technical college in Virginia - I am enrolled in several Urban Affairs and Planning courses - one in particular is Environmental Planning. Time and again, I find myself at odds with nearly every one of my 55 classmates, in addition to the instructor, over the issue of global warming. Your article gives another voice to my own opinions. I guess my being 40+ years old in the mix of 20 year olds that surround me, perhaps may have something to do with it as well.

Letter 3 - From a civil servant at the start of a professional career

Earlier this year, the Financial Times Magazine contained an article about Sir Gus O'Donnell, Secretary to the Cabinet, Head of the Civil Service and former Permanent Secretary to H. M. Treasury. Here is the rhetorical question that he is reported to have posed to an audience of newly-joined civil servants (Whitehall's newest and brightest recruits):

"When you go to dinner parties do you want to be able to say that you work with an accountancy firm and you've spent the day helping some company pay less tax? Or do you want to say you've been working with the environment department to help save the planet, or with the G8 group of countries to reduce child poverty?"

Letter 4 - From a mid-career university climate teacher and researcher

The reason for the apparent absence of public suppport from scientists for a sceptical position on climate change is professional intimidation.

I have experienced it: letters to my CEO saying that I am irresponsible, snarly comments from students, personal threats from green wackos, condemnation by a national newspaper columnist (which caused me to take legal action), scowls and derision from all the folk who work for the government's main advisory department on climate change, and contempt from those of my colleagues who depend upon the research money on which global warming hysteria feeds.

Those scientists and university teachers who wish to avoid unemployment will not want to appear to take a rational position on the climate issue, not publicly anyway.

Conclusions

These examples were sent to me from three different countries, and I am writing from a fourth about which I have direct personal knowledge; thus the indoctrination and intimidation problems that they exemplify seem likely to be global in scope.

Rather than teaching about the Four Ages of Man, many western education and training systems have now reached the nadir of perpetrating instead the Four Stages of Indoctrination. Climate change is taught in school using the multitude of glossy publications and websites that are provided by alarmist interest groups, which include many government departments. The propaganda is as skilful as it is persuasive, for no expense is spared to spread the alarmist message. It is little wonder that well-meaning members of the public - not to mention sophisticated reporters writing for magazines such as Time, Scientific American and New Scientist - are duped into believing that a climate apocalypse is at hand. Climate reality is different, and is that the planet simply continues to go about the business that it knows best: change is what climate does, and nothing is more certain than that it will continue in future.

The biggest problem with the present-day unwarranted focus on human-caused global warming is that the hysteria surrounding it has distracted governments from the real climate change problem. Which is the threat of natural climate change, the most damaging aspect of which in turn is the future coolings that will occur; indeed, the next may already have started. Government climate planning is needed, but in a way that is responsive to both coolings and warmings, as they occur and if they prove dangerous. It is in this sensible fashion that we manage the aftermath of other unpredictable natural hazards, such as earthquakes and volcanic eruptions.

Control of human carbon dioxide emissions, however strict it is, will likely make no measurable difference to future climate. Attempts to “stop climate change” in this or any other fashion are therefore expensive exercises in utter futility.

Fear of radiation and fear of chimerical climate change well up from similar depths in the human psyche. Those who understand their true scientific basis have a deep obligation to allay the widespread and unnecessary public fear that exists regarding these phenomena, not to stimulate it.

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Professor Bob Carter is a geologist and environmental scientist at James Cook University, Queensland, Australia, where he is engaged in palaeoclimate research.
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
O que fizemos para merecer isto?

Com a aprovação do Orçamento de Estado para 2008 os portugueses em geral e os habitantes do Distrito de Setúbal tiveram uma má noticia. Este Orçamento de Estado significa a continuação da redução do investimento público no nosso Distrito. O distrito de Setúbal continua a ser dos mais penalizados, com uma quebra de investimento de cerca de 57% nos últimos três anos.
Regista-se um aumento do investimento previsto em quatro Concelhos, Grândola, Moita, Seixal e Setúbal, devido à construção de um Estabelecimento Prisional em Grândola e à construção de Escolas nos restantes concelhos.
Nós na Moita sabemos que a construção da Escola Secundária da Moita só vai ser possível devido à luta das populações, Comunidade Educativa e à persistência dos eleitos da CDU nas Autarquias Locais e na Assembleia da República, que durante vários anos apresentaram estas propostas que nunca foram atendidas pelas maiorias, quer do Partido Socialista, quer do Partido Social Democrata. Assim vence a razão e a luta e mais uma vez se prova de que sem luta nada se consegue.
No quadro actual de graves problemas sociais e das necessidades da população o investimento necessário para o nosso Distrito não é feito e obras como o futuro Hospital Regional a construir no Seixal, ou os Centros de Saúde de Sines, Corroios/Vale da Milhaços e Baixa da Banheira, ou a Repartição de Finanças da Baixa da Banheira, ou também alguns equipamentos desportivos um pouco por todo o Distrito, não serão feitas em 2008 ainda que algumas sejam reivindicadas há vários anos e outras já tenham sido alvo de algum tipo de aprovação.
Por outro lado, a injustiça social continua a agravar-se. O governo do partido socialista continua a penalizar quem trabalha, quem estuda, quem é reformado e quem está doente e poupa claramente alguns dos que poderiam suportar parte da crise, aqueles que mais podem e mais têm. Para além disso continua a penalizar todos os consumidores com um imposto sobre o valor acrescentado (IVA) que é uma ameaça à economia portuguesa, o que dificulta a vida de todos os portugueses e a saúde financeira das empresas portuguesas. Lembremo-nos que em Espanha o IVA é muito baixo do que em Portugal, o que torna o valor deste imposto um obstáculo ao desenvolvimento da economia portuguesa, o que é facilmente constatado pelos fluxos de comercio nas zonas fronteiriças, com claro benefício para os espanhóis.
Por último e para finalizar, ainda que muito fique por escrever, a taxa de inflação prevista é anedótica e a real, vai ficar mais um ano acima do previsto. O governo prevê que a inflação em 2008 seja de 2,1% e com este valor negoceia e faz negociar os aumentos salariais, contribuições sociais, transferências de verbas de várias ordens, o que significa que o ano de 2008 significará menos capacidade financeira para instituições públicas e para a maioria dos portugueses. Apesar de várias entidades estimarem a inflação para Portugal acima deste valor, o governo, muito convenientemente vai em frente com esta teimosia.
Alguma da injustiça social está relacionada com a política fiscal e para que não restem dúvidas ainda não vai ser em 2008 que o Estado vai fomentar a equidade fiscal para cidadãos e empresas, o que significa que as maiores empresas, fruto do chamado “planeamento fiscal”, aumentem ainda mais os seus lucros à medida quase directa que os contribuintes individuais vejam aumentar as suas contribuições e as pequenas e médias empresas sejam apertadas pela máquina fiscal para pagarem mais em termos relativos do que as que conhecem melhor as regras e por isso usam as leis para o seu “planeamento estratégico”, que em muitos casos deveria ter outro nome: os pobres roubam, os ricos desviam ou fazem “planeamento consentido”.
Por tudo isto e porque já começa a ser hábito apontar estas falhas ao Orçamento de Estado, fica a pergunta: O que é que fizemos para merecer isto?

Nuno Miguel Fialho Cavaco
Membro da DORS do PCP
Daqui a poucas semanas ficar-se-á a conhecer a decisão do governo sobre o novo aeroporto de Lisboa e da localização da chamada Terceira Travessia do Tejo. Sobre o estudo patrocinado pela CIP a primeira ideia que dele retiro é que é uma pena que não se possa fazer um aeroporto junto à Marginal, pois parece que a grande preocupação é construir uma ligação rodoviária Cascais-Aeroporto, já que “Em qualquer das configurações, os resultados obtidos em termos de tráfego são sempre mais equilibrados quando a terceira travessia rodoviária é construída em Algés-Trafaria do que quando ela é feita em Chelas-Barreiro. Isto porque se reduz significativamente o tráfego na Ponte 25 de Abril, se conseguem níveis de serviço de boa qualidade na ligação Almada-Oeiras/Cascais”.

Em todo o caso, a RAVE continua a defender a ligação ferroviária Barreiro-Chelas, e uma entrevista recente da Secretária de Estado dos Transportes à Reuters aponta inequivocamente para mesma solução:

“R: A ligação Chelas-Barreiro não está em questão.

APV: É, porque não se trata de uma ponte de alta velocidade. Temos de um lado a linha do Alentejo e temos a linha do Norte. Queremos ligá-las. Ou era só para alta-velocidade, e aí depende do que é que nós tínhamos previsto... Aquilo que é mais importante para pessoas sao os transportes suburbanos e, em termos de transportes de mercadorias e de longo curso, temos de ligar essa duas redes.”



O que não nos podemos esquecer é que qualquer uma destas soluções tem como principal preocupação a ligação a Lisboa. O cenário da mobilidade ao longo da Margem Sul do Tejo fica praticamente na mesma, com a separação entre os blocos constituídos pelos municípios de Almada/Seixal e Barreiro/Moita/Montijo. Querem um exemplo? Perguntem a um estudante banheirense quanto tempo demora a chegar à Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa (ou ao Instituto Piaget, por exemplo) utilizando transportes públicos? Quando lá estudei o percurso iniciava-se com uma viagem nos TCB’s, seguida da meia hora nos barcos da Solfusa (entretanto reduzida para metade) seguida de 5 minutos de Cacilheiro que se apanhavam logo ali junto ao Cais das Colunas e que agora só se encontram no Cais do Sodré (e assim se perdem os 15 minutos ganhos com os catamarãs) seguido de uma viagem nos TST’s, com passagem pelo centro de Almada, até ao Monte da Caparica, num total de 2 horas que ao fim do dia se repetiam. Hoje em dia não perderão menos do que 4 horas diárias em transportes para se deslocarem 30km dentro de uma Área Metropolitana

O certo é que, com o desmantelamento dos Estaleiros da Lisnave na Margueira e da Siderurgia no Seixal, os movimentos entre estes dois blocos modificaram-se e os novos passageiros destas rotas foram empurrados para o transporte próprio. Este anacronismo poderia ser mitigado com a tão desejada ligação Barreiro-Seixal e com a extensão do Metro Sul do Tejo ao Barreiro, mas parece que ainda não se pensa seriamente no assunto...

2007-11-15

2007-11-14

POR QUÉ NO TE CALLAS?



Muita tinta e muitos bytes tem feito correr esta interferência do Rei de Espanha na discussão entre Zapatero e Chavez.
Se por um lado Chavez está habituado aos seus monólogos televisivos, por outro, o Rei promoveu a República como ninguém. Ambos têm que aprender a fazer o trabalho de casa. Deviam escrever 1000 vezes aquilo que Zapatero disse "para se ser respeitado é preciso saber respeitar".

2007-11-12





Até o nosso Presidente da República se preocupa com o aquecimento global pena é que apresente uns dados muito, mas muito duvidosos. É caso para dizer: se até o cavaco se preocupa eu também me preocupo.

Começa bem, com a expressão “Desenvolvimento Sustentável”, que foi usada pela primeira vez pelos suecos como uma forma de sustentar o capitalismo, ou seja vamos explorar os recursos naturais e os homens de forma a que o sistema de produção parasitário capitalista se mantenha e os padrões de consumo se mantenham altos. Claro que está que para isto ser sustentável há que impor a pobreza e a fome a muitos milhões de habitantes do sítio que se quer sustentável.

Os problemas ambientais começam-se a resolver com um novo sistema de produção, mais limpo e que vise menores consumos, porque consumimos mais recursos do que o planeta suporta. Cavaco Silva não sabe isso, só sabe que o liberalismo económico tudo resolve, tudo menos os problemas que cria.

Era interessante saber qual a opinião de Cavaco Silva sobre os graves problemas ambientais impostos pela exploração de petróleo em alguns países africanos. Disso ele não fala, porque o liberalismo que ele defende precisa do petróleo e não liga patavina aos problemas que cria.

Sr. Presidente o que defende é errado e injusto, falta-lhe uma parte, porque o uso de tecnologias limpas não resolve os problemas de consumo excessivo gerado pelo capitalismo selvagem que tanto defende.


a consultar

2007-11-10

Rua Ville de Plaisir
Todos aqueles que recordam a Baixa da Banheira de há 20 ou 30 anos lembram-se das inúmeras horas que polvilhavam algumas zonas da freguesia. Ainda apegados aos hábitos trazidos das suas terras de origem, era no meio de construções abarracadas na zona ribeirinha e num espaço da antiga Quinta do Petinga confinado entre as ruas dos Açores e de São Tomé e Príncipe (para referir exemplos de que recordo bem) onde alguns (não poucos) banheirenses passavam os seus tempos livres entre couves, alfaces ou galinhas, ainda retirando daí algum sustento.

Hoje esta actividade quase desapareceu. O Parque Zeca Afonso abriu o Tejo com outros horizontes e uns poucos sobreviventes da zona ribeirinha só se encontram no extremo norte da Vila, já na Barra-a-Barra dividida com o Lavradio. Nos antigos terrenos do Petinga, onde dantes um caminho de terra serpenteava entre cercas de madeira, hortas e pombais, está agora o Mercado Municipal, uma estrada alcatroada, e alguns resquícios desses tempos idos. Restam também poucos quintais onde se cultiva a couve-galega, o chá de tília ou se guardam um par de rolas.

Foi assim com bastante surpresa que nos últimos meses tenho assistido à transformação do anteriormente abandonado espaço exterior do Centro de Bem-Estar Social da Baixa da Banheira, pelo que me disseram, às mãos de uma pessoa que se deu conta do espaço e pediu para dele se ocupar nos seus tempos livres.




Esta mudança dá-me a sensação de que, se mais espaço houvesse disponível, mais gente se encarregaria de o ocupar também.

A Baixa da Banheira tem uma densidade populacional que aconselha a que não se abuse em mais construção pelo que seria interessante tentar ocupar os poucos espaços ainda livres com outra coisa que não seja mais betão, mesmo que assim já esteja delineado. Refiro-me em particular a uma faixa de terreno que se estende paralelamente à Rua dos Lusíadas, da Rua 1º de Maio em direcção à ponte que neste momento a REFER ergue sobre a linha férrea (e onde em tempos estiveram alguns pombais entretanto transferidos para o Vale da Amoreira), e para a qual está prevista a criação de uma nova rua ao redor da qual surgirão certamente mais alguns edifícios. Se um espaço destes, numa zona central da Vila sofresse uma reconversão, permitindo em parte a sua ocupação por pequenas hortas urbanas, com condições devidamente adaptadas às necessidades e enquadradas por um regulamento de utilização comum, creio que se estaria a dar um passo certo no bem-estar nesta terra, não só dando espaço à continuação de uma ocupação cada vez menos enraizada, como também melhorando o ambiente urbano e (possivelmente) a economia de algumas bolsas menos abonadas.

2007-11-08

... e agora também são só os comunistas?

2007-11-05

PERGUNTAS

Onde estavas tu quando fiz vinte anos
e tinha uma boca de anjo pálido?
Em que sítio estavas quando Che foi estampado
nas camisolas das teen-agers de todos os estados da América?
Em que covil ou gruta esconderam as armas
para com elas fazer posters cinzentos e emblemas?
Onde te encontravas quando lançaram mão a isto?
E atrás de quê te ocultavas quando
mataram Luther King para justificar sei lá que agressões
ao mesmo tempo que víamos Música no Coração
mastigando chiclets numa matinée do cinema Condes?
Por onde andavas que não viste os corações brancos
retalhados na Coreia e no Vietname
nem ouviste nenhuma das canções do Bob Dylan
virando também as costas quando arrasaram Wiriamu e
enterraram vivas
mulheres e crianças em nome
de uma pátria una e indivisível?
Que caminho escolheram os teus passos no momento em que
foram enforcados os guerrilheiros negros da África do Sul
ou Allende terminou o seu último discurso?
Ainda estavas presente quando Victor Jara
pronunciou as últimas palavras?
E nem uma vez por acaso assististe
às chacinas do Esquadrão da Morte?
Fugiste de Dachau e Estalinegrado?
Não puseste os pés em Auschwirz?
Que diabo andaste a fazer o tempo todo
que ninguém te encontrou em lugar algum?

Joaquim Pessoa

2007-11-02

Fertagus: ideias pró "futuro"!
Cada vez andamos mais (de comboio) para a estupidificação!
A fertagus lançou uma NOVIDADI, passe para 30 dias.
Ou seja, no dia 31 pagamos bilhete se não queremos andar a contar os dias.
Uma política à Eng."chico esperto", para tentar roubar mais um pouco.
O que vale é que temos o Mourinho, senão tinhamos que pensar nestas tretas que só apoquentam!
Haverá por aí quem não concorde comigo, mas um bezerro assustado pela multidão a tentar correr no alcatrão não é um espectáculo digno, e de cultura há muito mais para mostrar do que a barbárie.

Vem este desabafo a propósito da inauguração (finalmente) do café-concerto do Fórum.

2007-11-01

A propósito da lista da avaliação das escolas logo aparece o lóbi do ensino privado, este ano reforçado com o anacronismo da segregação por géneros, fazendo alarde de uma suposta superioridade. Bastaria recordar a Universidade Independente para se reconhecer a falácia.
Lisboa, 1 de Novembro de 1755

2007-10-28

Há muito tempo que as antigas instalações do Mercado da Zona Norte estão fechadas. Em tempos ainda pensei que pudessem ser utilizadas como ateliês de artes, e sei que alguns esfoços foram desenvolvidos nesse sentido. Com o passar dos anos comecei a convencer-me de que aquele espaço seria, devido às dificuldades de estacionamento naquela zona da Vila, facilmente transformado num estacionamento para residentes.

Fiquei hoje a saber que a Pluricoop pretende transferir a sua loja da Rua de Moçambique para as antigas instalações do Mercado da Zona Norte da Baixa da Banheira. É mais uma solução interessante, pois há muito que a actual loja é demasiado pequena para a população que serve.

2007-10-26

Sobre flexisegurança escreve-se assim no Boa Sociedade: É obviamente muito duvidoso que um modelo deste tipo possa ser importado por uma sociedade com características estruturais e históricas bem distintas do modelo dinamarquês. Vejamos alguns contrastes: a) na Dinamarca existe um sindicalismo ultra-forte, em que 80% da população activa está sindicalizada; b) a adesão ao sindicato não é uma escolha política, mas uma questão de bom senso (uma espécie de vocação natural); c) os sindicatos gerem as caixas de subsídios de desemprego, pagam as reformas antecipadas e negoceiam as condições laborais por sector; d) a diferença de rendimentos entre os mais elevados e os mais baixos é das menores da Europa (em Portugal é uma das maiores); e) o sucesso do modelo reside numa cultura de compromisso e consenso entre os actores sociais (ao passo que em Portugal vigora no mundo do trabalho uma cultura de autoritarismo, marcada por sentimentos de medo e laços de dependência).

(...)

Recorde-se, de resto, que o êxito da versão dinamarquesa da flexigurança é o resultado de um longo processo histórico assente numa série de compromissos entre parceiros sociais, na evolução do Estado-Providência e num desenvolvimento gradual de políticas activas para o mercado de trabalho. Em suma, não é a flexigurança que gera por si só o desenvolvimento, mas é sim o desenvolvimento que pode – ou não – exigir maior flexibilidade ou maior segurança. Por isso, mais do que a retórica governamental da flexigurança, o que a sociedade portuguesa exige é um programa de desenvolvimento sustentável para o país, onde os direitos sociais, o bem-estar dos cidadãos e o combate às desigualdades e injustiças na distribuição da riqueza passem do plano das promessas eleitorais para o plano da sua concretização.


via O Grande Zoo
Henry Grimes vem tocar à Baixa da Banheira, numa oportunidade única para conhecer uma figura do jazz renascida ao fim de 35 anos de afastamento completo. Dia 1 de Novembro, às 22 horas, no Fórum Cultural José Manuel Figueiredo.

foto de John Abbott

2007-10-23















Marcas portuguesas em França.

Alguns Franceses dizem que Plaisir foi construída por portugueses.












Se algumas pessoas apanham dejectos de cavalo porque é que outras não apanham os dos cães?







Al Gore e a lenda do nunca

Li um texto no citadino, que alerta que o político elitista Al Gore, que realiza conferências para alguns, à porta fechada, mediante o pagamento de 175 mil dólares, anda a privatizar a questão do clima. O “trabalho de Al Gore” sugere o investimento de grossas fatias do PIB para combater o aquecimento global, baseando-se em estudos que projectam a economia mundial para lá de 2200. Que grande treta!

Um reputado e antigo activista da Greenpeace, Bjorn Lomborg, ataca esta visão em alguns pressupostos duvidosos:

1- O custo social por tonelada de CO2 de 85 US$ é elevado quando comparado com o valor apontado pelo maior especialista da matéria – Wiliam Nordhaus, que o calcula em 2,5 US$.
2- Al Gore usa os cenários mais catastrofistas alimentando estas previsões que permitiram lançar o imposto mundial sobre o aquecimento global.
3- Os últimos dados aferidos sobre a medição da temperatura global (conceito que não merece concordância de muitos), dizem respeito aos recolhidos desde 1979 pelos satélites NOAA que apenas registam um aumento de temperatura de 0,1ºC em vez de os 0,4ºC medidos à superfície, e ainda assim pouco significativos, o que indicam uma estabilização das temperaturas.

Sugiro que Al Gore poupe energia, tanto no seu consumo doméstico como nas suas milionárias intervenções, porque de mentiras já estamos fartos!
"Arlindo Carvalho, regressado à Comissão Política social-democrata, revelou ao "Correio da Manhã" as linhas mestras com que se vai coser o programa do novo PSD. Ficou a saber-se que, na versão Luís Filipe Menezes, o PSD "do ponto de vista social é de esquerda, na economia é de direita". Arlindo Carvalho não o explicitou, mas é provável que o PSD seja ainda, do ponto de vista cultural, de extrema-esquerda e, em matéria de segurança, de extrema-direita. Ficará assim coberto todo o leque partidário, e tornar-se-ão inúteis os restantes partidos. O PS deixará de ser necessário para levar a cabo políticas económicas neo-liberais, o PC para reivindicar Estado Social, o BE para levantar questões "fracturantes" e o CDS para exigir mais polícias e mais Código Penal. Espécie de partido para todo o serviço, o PSD encarregar-se-á de tudo isso e do seu contrário. Às segundas, quartas e sextas, entregará empresas públicas a grandes grupos económicos, às terças, quintas e sábados aumentará salários e reformas e, aos domingos, diminuirá a idade da responsabilidade penal e subsidiará festivais "gays" e lésbicos. É um verdadeiro ovo de Colombo. Como é que ninguém ainda se tinha lembrado disto? Será uma injustiça se o novo PSD não conseguir (pelo menos) 100% de votos."

Manuel António Pina, no JN.

2007-10-22

AS "CORPORAÇÕES" a nova ordem mundial?
Documentário sobre as estratégias das grandes empresas mundiais para o controlo do monopólio, não só do mercado, como também das sociedades. Premiado mundialmente e tendo nota positiva por parte da crítica, este documentário responde a muitas dúvidas sobre uma nova ordem mundial que já não podemos ignorar, as corporações empresariais.



Se quiserem ver o filme completo este está dividido em 23 partes no youtube.

http://www.thecorporation.com/
Gosto de ler livros e faço-o sempre que posso, mas com muito menos frequência do que o que seria desejável. Antes de os comprar, gosto de os folhear, abrir aleatoriamente algumas páginas e ler umas linhas, numa vã tentativa de me certificar da qualidade que deles espero. Escolho-os entre os autores que aprecio ou quero descobrir, ou porque me foram aconselhados, ou porque o assunto me interessa ou, muito raramente, apenas porque naquele momento um livro em particular me despertou um interesse inesperado. A pachorra que me falta para andar de loja em loja à procura de umas calças ou de uma camisa encontro-a toda numa livraria, onde posso passar horas a vasculhar sem dar conta do tempo a passar.

Há poucos dias comprei mais um livro, e o certo é que dificilmente volto a fazer compras no mesmo sítio. A diversidade não é muita e a insistência do vendedor roça o maçador. A gota água chegou na hora do pagamento, quando o mercenário que me atendeu disparou:

- Sabe… gostos são gostos, mas para a próxima escolha autores estrangeiros, porque sempre ficam mais baratos.

2007-10-19

Afinal parece que um tratado tão benéfico para o futuro da Europa estava preso por um lugar. É também muito curioso reparar como, após o chumbo da anterior proposta de tratado nos referendos holandês e francês, os "media" deixaram de falar na Europa dos Cidadãos.

2007-10-16






Não é novo este meu incómodo com a questão do clima. Após várias discussões percebo que o assunto não é muito fácil de entender por quem não tem bases, e entenda-se por bases, conhecimentos de geografia, astronomia e física.

Muitos são aqueles que falam sem pensar, sem recorrer às tais bases, batendo no peito e esgrimindo a palavra ambiente. Mas será que sabem que o que se pensava há 20 anos é diferente do que se pensa agora? Ou, será que sabem que os cientistas estão divididos e a forma mais correcta de clarificar é a investigação?

Só com investigação é que podemos chegar a respostas. Não tenho dúvidas que o homem interfere com sistema climático, só não sei qual a responsabilidade dele nas alterações climáticas, se é que estas realmente estão a acontecer.

Aqui podemos traçar 3 cenários:

1- O do Al Gore que implica começarmos a consumir energia renovável e ponto final, porque ele não ataca os consumos directamente, abrindo caminho para a energia nuclear.
2- Investigar mais e tentarmos produzir energia mais limpa e segura.
3- investigar mais, tentarmos produzir energia mais limpa e segura reduzindo realmente os consumos. Não com a poupança da pinga de água, que também é importante, mas comprando menos bens supérfluos e produzindo de forma mais eficaz e amiga do ambiente.

Os cenários constituem-se como opções que podem ser apresentadas de várias formas:

1- Exagerando, como é o caso do Al Gore que até mente.
2- Informando.
3- Informando e prevenindo.

A minha quezília com o Al Gore, que agora é prémio nobel da paz mas que já esteve envolvido em bombardeamentos e portanto em guerra, tem que ver com o meio escolhido para passar uma ideia que não é má de toda. Mas devemos apresentar a verdade. Fica para a história a mostra da morte de ursos, apontada por Al Gore como uma consequência do aquecimento global mas que afinal foi devida a uma tempestade.